Jair Ventura e Santos: uma parceria promissora

Após um ótimo trabalho no Botafogo, o treinador terá as ferramentas que gosta de trabalhar em mãos

Após um ano e quatro meses à frente do comando técnico do Botafogo – foi efetivado em agosto de 2016 -, Jair Ventura acertou sua ida ao Santos.

Quando já era especulado, o nome agradava a maioria dos santistas e da crônica esportiva. O estilo dos dois se casavam. Jair, novo no ramo, e Santos, a maior fábrica de talentos do país, gostam de trabalhar com jovens jogadores e sabem lidar com um orçamento baixo.

A equipe da Baixada terá corte de custos em 2018 e o poderio financeiro para grandes contratações está bem escasso.

Dessa forma, o treinador já vem observando os garotos que disputam a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

– O Santos é um celeiro de craques. Estou acompanhando a base, estou de olho na Copinha. Me seduz bastante lançar jogadores. Fiz isso demais no Botafogo. Trabalhei em todas as categorias de base lá, além de ter trabalhado na seleção brasileira. Gosto muito, vamos ficar de olho. Sabemos da importância e é natural do Santos. Mas não podemos descartar os mais experientes, temos o Renato… Vai ter espaço para todos. Temos que gerar oportunidades. Todos terão chances, dos mais jovens aos mais experientes – explicou Jair.

 

O aproveitamento dos garotos foi o fator imprescindível para que a diretoria santista fizesse todo tipo de esforço para tirar o treinador do Botafogo.

Durante sua passagem pelo Botafogo, sem recursos para grandes contratações, Jair recorreu à base por diversas vezes.

O treinador sempre teve uma relação muito próxima com as categorias de base. Em março de 2011, Jair foi auxiliar-técnico da seleção brasileira sub-17 no Sul-Americano disputado no Equador. No ano seguinte, virou treinador da equipe sub-20 do Botafogo, onde permaneceu por dois anos.

Como característica de jogo, o novo comandante aposta mais numa sólida defesa e uma saída em contra-ataque com poucos toques na bola. Foi assim no Botafogo, mas no Santos ele vai ter a oportunidade de quebrar esse paradigma de ser retranqueiro e mostrar que pode se reinventar com um futebol mais vistoso.

Efetivado em 13 de agosto de 2016, assumiu o Alvinegro na zona de rebaixamento – era 17º colocado. Terminou a competição como quinto colocado e classificado à principal competição do continente, a Libertadores.

Confira os números de Jair pelo Botafogo:

2016
22 jogos
12 vitórias
3 empates
7 derrotas

2017
73 jogos
31 vitórias
18 empates
24 derrotas

Se Jair for feliz igual ao seu pai foi no Santos de Pelé, o Peixe estará muito bem servido…

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *