#38: A Argentina ditatorial e campeã da Copa do Mundo de 78

Os hermanos sediaram a Copa do Mundo e foram campeões após uma ditadura bastante violenta

A Federação Internacional de Futebol, anos atrás, escolheu a Argentina como país sede para o torneio de 78. Foi um ano complicado para os hermanos, já que eles estavam vivendo um momento conturbado com a ditadura argentina.

A ditadura na Argentina

A ditadura na Argentina, primeiramente, começou com um golpe de Estado dado por militares que assumiram o poder no país. Os comandantes tinham o discurso de combater os males do comunismo em todo o território.Vale ressaltar que outros países da América Latina também foram comandados por militares ainda na metade do século XX.

A ditadura na Argentina durou entre os anos de 1966 à 1973

Os promovedores da Ditadura na Argentina, em semelhança ao Brasil, a determinavam como Revolução Argentina. Logo após a tomada de poder, entrou em vigor no país o Estatuto da Revolução Argentina que legalizou as atividades dos militares.

O intuito dos golpistas era de permanecerem no poder por tempo indeterminado, enquanto fosse necessário para sanar todos os problemas argentinos. A nova ‘constituição’ proibia a atividade dos partidos políticos e cancelava quase todos os direitos civis, sociais e políticos por conta de um quase constante Estado de Sítio. Era a derrocada da cidadania.

Um clima pesado no país anfitrião, a história ficou evidente que os militares se aproveitaram do torneio mundial para promover um espetáculo que visava distrair o povo argentino dos milhões de problemas do país, principalmente na economia. Era aquela famosa “varredura para baixo do tapete”.

As dificuldades que tinham na Copa

Com 16 participantes, a Copa do Mundo na Argentina parecia ser dificultosa. Em vários jogos era notório presenciar que os gramados soltavam-se sob as chuteiras dos atletas.

A Copa de 78, primeiramente, teve quatro grupos. Cada grupo compunha quatro seleções, e destas quatro, duas se classificavam. Após isso, mais outra fase de grupos, sendo que esta só se classificava uma.

Outro fato curioso foi que a seleção francesa  teve que usar o uniforme de uma equipe de Buenos Aires, na última rodada da fase grupos, pois usava o material branco contra os húngaros. Aquela edição de copa foi uma das mais complicadas.

Franceses usaram a camisa do Kimberley, time amador da Argentina.

A Copa para a seleção da Argentina

Para não se cansar muito devido aos jogos, a seleção anfitriã, ao todo percorreu somente 618 km. A seleção brasileira, por exemplo, percorreu 4.659 km. A

maior parte dos jogos da Argentina foram realizados na Bombonera, deixando muitos pensarem que isso a beneficiaria na Copa. No Grupo A, os hermanos ficaram na segunda posição, com 4 pontos. A Itália, líder com 6 pontos, roubou a cena do primeiro grupo. França e Hungria foram eliminadas e deram adeus à Copa.

Passando para a segunda fase, onde havia dois grupos, os alvicelestes ficaram no grupo B, com Brasil, Peru e Polônia. Esta segunda fase deu o que falar. Para entender melhor, na segunda fase, só se classificava somente uma seleção de cada grupo para a grande final. Argentina e Brasil eram as duas equipes mais fortes do grupo e disputariam fortemente para quem iria se classificar.

No primeiro jogo do Brasil, a seleção canarinha havia vencido o Peru pelo placar de 3 a 0; a Argentina conquistou os 2 a 0 contra a Polônia. No confronto direto contra os brasileiros, o empate de 0 a 0 deixava para o último jogo a classificação entre as duas mais fortes seleções do grupo B.

O último e terceiro jogo foi decisivo. O Brasil encararia a Polônia, no estádio Ciudad de Mendonza. O placar foi extremamente favorável aos brasileiros, e um 3 a 1 sobre os poloneses já deixava o Brasil com os dois pés na final.

A chance dos argentinos se classificarem era quase improvável, já que se eles vencessem o Peru, igualaria o mesmo número de pontos com o Brasil e não classificaria-os por conta do saldo de gols. Contudo, a fantástica vitória argentina surpreendeu todos os torcedores e o mundo. Uma goleada por 6 a 0 classificou a Argentina para a grande final daquela copa. Foram dois gols de Mário Kempes – melhor marcador daquela Copa -; 1 gol de Tarantini; 2 gols de Luque; e 1 gol de Houseman.

A classificação foi tão surpreendente que até mesmo os brasileiros não acreditaram o que tinha acontecido naquele jogo entre argentinos e peruanos. Mas aquilo havia gerado um grande escândalo, pois a Argentina, além de golear o Peru, tinha como goleiro adversário um argentino naturalizado e uma mudança de horário, já que o Brasil jogou às 16 horas e a Argentina às 19:15.

Já na grande final contra os holandeses, a seleção alviceleste venceu por 3 a 1, com mais uma excelente partida do artilheiro Mário Kempes. Foi a primeira taça mundial para a Argentina, sendo que a alegria maior foi por ter vencido em casa, diante de uma nebulosa ditadura militar.

Curiosidades sobre a Copa de 78

Por mais que tenha sido uma copa polêmica, em 78, a competição mundial teve muitas curiosidades. Nesta edição, a anfitriã Argentina usou o escudo da Federação Argentina (AFA) pela primeira vez; foi também nesta que o Brasil, mesmo invicto, foi eliminado nas semifinais.

Houve- se também algumas teorias da conspiração como as fraudes dos exames de antidoping, onde que o jornal inglês Sunday Times notificou que os argentinos estavam fraudando os exames na competição.

 

Um fato curioso, e um dos mais interessantes, é que o treinador daquela época, Luis Menotti, não convocou o astro argentino de 17 anos Diego Maradona.

O treinador precisava relacionar 22 atletas. Segundo o técnico, aquele ano de copa precisava ter “homens” em seu elenco, e via Diego como um “menino”. Após alguns anos, Menotti se arrependeu de não ter convocado, pois naquele torneio, a seleção argentina tinha sido campeã e Maradona levantaria a taça com apenas 17 anos.

Faltam 38 dias para a Copa do Mundo 2018

One Ping

  1. Pingback:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *