#32: Brasil 1×1 Holanda é o melhor jogo das Copas?

Com muita técnica, a semi de 98 é lembrada até hoje

Tinha quatro anos quando a Copa do Mundo começou a ser disputada na França. As ruas estavam pintadas, as pessoas eufóricas e a confiança na Seleção Brasileira lá em cima.

Com Ronaldo, Rivaldo, Edmundo, Roberto Carlos e companhia na melhor forma, o Brasil chegava como favorito ao quinto título mundial. Quatro anos antes, o selecionado nacional havia saído da fila e conquistado o Tetra com Romário no comando, mas por opção polêmica da Zagallo, o baixinho não pôde defender seu título.

Do outro lado, a Holanda chegava para a Copa do Mundo com uma geração promissora e que segundo os especialistas tinha potencial para levar a taça pela primeira vez para o território holandês após dois vices, em 1974, para a Alemanha Ocidental, e 1978 para a Argentina. Posteriormente, a Espanha conquistou seu único título em cima da Holanda, em 2010.

Campanhas

Na primeira fase, o Brasil não teve facilidade para avançar. Na estreia, um jogo truncado contra a Escócia, mas com gols de César Sampaio e Boyd, contra, a Seleção venceu a Escócia. Na segunda rodada, o adversário era o Marrocos e um 3 a 0 com gols de Rivaldo, Ronaldo e Bebeto devolveu a confiança. Na última rodada, o baque, uma derrota por 2 a 1 para a Noruega, mas a liderança garantida.

Se para o Brasil foi difícil, a Holanda teve ainda mais dificuldade. Com dois empates, diante de Bélgica e México, a goleada por 5 a 0 sobre a Coreia do Sul garantiu a vaga na outra  fase.

Nas oitavas de final, o melhor jogo da Canarinha na competição. Um sonoro 4 a 1 sobre o Chile com shows de César Sampaio e Ronaldo, que marcaram dois cada. Nos acréscimos, a Holanda eliminou a Iugoslávia por 2 a 1.

Na fase seguinte, o Brasil teve a Dinamarca pela frente. Os ‘Vermelhos’ haviam goleado a Nigéria pelo mesmo placar e chegavam com ‘status’ de zebra. Comandados por Laudrup, quase colocaram água no chopp da Seleção Brasileira. Em um jogão, o Brasil venceu os dinamarqueses por 3 a 2 com show de Rivaldo.

Mesmo com uma grande constelação, a Holanda não era favorita para o confronto diante da Argentina. Os ‘hermanos’ vinham embalados, mas com Kluivert e Bergkamp inspirados, os holandeses avançaram.

A semifinal

Não tenho muitas lembranças do dia do jogo, apenas alguns flashs do meu pai ansioso para a partida ou dos comentários no boteco que seria muito difícil.

Alguns anos depois, eu resolvi assistir a partida completa e até hoje continuo achando que foi o melhor jogo da história das Copas.

Não foi um placar elástico ou uma partida de muitos gols, mas o 1 a 1 não traduz 10% do quão técnica a partida foi. Com vários craques dos dois lados e inúmeros bons jogadores, a partida foi um colírio para quem aprecia o bom futebol.

A Holanda presava pela posso de bola e a saída em velocidade para o ataque, enquanto o Brasil apostava na ligação direta para o ‘Fenômeno’.

Após um primeiro tempo de muita intensidade, chances criadas pelos dois lados e uma técnica absurda, o 0 a 0 ainda permanecia no telão.

Logo no começo da segunda etapa, Ronaldo abriu o placar, mas no fim do jogo, Kluivert empatou a parada. Na prorrogação, o 0 a 0 levou a decisão para os pênaltis. Foi lá, que Taffarel eternizou seu nome e garantiu o Brasil em mais uma final de Copa do Mundo.

Talvez, a partida não tenha sido a melhor da história, mas marcou de um jeito especial pela técnica e inúmeros craques dos dois lados.

Qual o jogo mais marcante para você?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *