#13: Tim Cahill e a resistência australiana

O australiano marcou um dos gols mais bonito das copas

Tim Cahill e Austrália são praticamente sinônimos. Poucas pessoas acompanham a trajetória da seleção da Oceania até chegar a Copa do Mundo. Quando o Mundial começa, um dos poucos nomes lembrados pelos aficionados é o do experiente atacante de 38 anos.

Prestes a disputar sua quarta Copa do Mundo, o experiente jogador australiano deve ser mantido na lista final, prevista para ser anunciada no próximo dia 3 de junho. Depois de anunciar uma pré-lista de 32 jogadores, o técnico Bert van Marwijk divulgou uma nova lista na última terça-feira com seis cortes, entre eles de Jamie Mclaren, preterido pelo experiente atacante de 38 anos que atuou por apenas 60 minutos nos últimos seis meses. Para piorar, o Millwall, clube que o revelou, divulgou uma lista de dispensas e o nome de Cahill estava entre os que o clube não renovaram contrato. Foram apenas 10 partidas e nenhum gol marcado.

O atacante totaliza um número de cinco gols marcados em três copas do mundo disputadas (2006, 2010 e 2014).

Em seu primeiro mundial, ajudou a Austrália a surpreender e chegar as oitavas de final da Copa do Mundo que foi sediada na Alemanha. Com uma vitória diante do Japão e um empate contra a Croácia, a derrota para o Brasil não impossibilitou a classificação. Tim Cahill marcou dois gols.

Na Copa seguinte, na África do Sul, o selecionado australiano quase passou de fase novamente, mas o saldo de gols impossibilitou a vaga. Na rodada inaugural, um 4 a 0 para a Alemanha dificultou a situação. Um empate com Gana e uma vitória sobre a Sérvia não foram suficientes. O experiente Tim Cahill marcou em uma oportunidade.

Em 2014, no Brasil, talvez tenha sido o ápice da carreira do homem da terra dos cangurus. Mesmo com a pior campanha dos três Mundiais que disputou, o atacante tem seu nome na história. No grupo da morte, com Espanha, Holanda e Chile, a Austrália veio a passeio, mas Tim Cahill eternizou seu nome na história dos mundiais ao marcar uma pintura diante da Holanda, no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Seu gol concorreu ao Prêmio Pukas de mais bonito do ano. Além desse golaço, o australiano fez mais um gol no Brasil.

Aos 38 anos, a lenda da Oceania deve encerrar sua carreira na Seleção após a Copa do Mundo. Caso marque, pelo menos um gol, entrará para história dos poucos jogadores que marcaram em quatro mundiais consecutivos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *