#10 Cafu e o recorde em finais de Copas do Mundo

O capitão da seleção brasileira em 2002 é o atleta recordista em finais de mundiais, totalizando três finais.

Um dos laterais mais táticos de toda a história do futebol mundial, Cafu, sempre foi um importantíssimo jogador em todos os clubes que passou, especialmente na seleção brasileira.

Quem não se lembra daquelas mãos sendo levantadas junto com a taça da Copa do Mundo de 2002? E aquele “Regina, eu te amo” para os bilhões de telespectadores e espectadores que assistiram a aquela final? Marcos Evangelista de Morais, além de estar na história das copas como capitão do penta, também tem seu nome guardado no “livro dos recordes” da FIFA.

Recordista em finais

Para quem não sabe, Cafu é o único atleta a chegar em três finais de Copa do Mundo. Como já dito, o ex- lateral do Brasil estava nas edições de 94, 98 e 2002. Esta primeira, com grande alegria, a seleção canarinha conquistou o título.

Nos Estados Unidos, os brasileiros conquistaram o emblemático tetracampeonato. Naquela final, o Brasil havia sido vitorioso nas penalidades, batendo a poderosa Itália de Baggio e companhia. Cafu, ainda no São Paulo, não era o titular em sua posição, mas entrou em campo quando Jorginho, machucado, deu o seu lugar para o jovem garoto entrar.

Vale ressaltar que Cafu estava no plantel do técnico Carlos Alberto Parreira desde 1990, quando o mesmo começou a dirigir a seleção após saída do técnico Lazaroni. Ele havia feito o seu primeiro jogo ainda em 90, contra a Espanha. Foi também vice-campeão da Copa América de 1991, já surpreendendo bem, tanto é que na Copa de 94, teve sua chance.

Tive o privilégio de entrar na final. Acho que joguei bem, dei um passe difícil para o Romário, que quase marcou, foi um jogo inesquecível“, disse o ex-atleta.

Depois do tetra, ele havia sido comprado pelo Zaragoza, todavia, logo voltou ao Brasil, para atuar no rival Palmeiras. Já em 1997, Cafu foi titular nas duas conquistas da seleção naquele ano: Copa América e Copa das Confederações. Sua passagem por Palmeiras e seleção foi tão produtiva que, novamente, voltou a atuar no futebol europeu. Desta vez, era um clube de mais tradição e que, com certeza, exigia ainda mais de Cafu. A Roma, seu clube naquele ano, havia desembolsado cerca de 7,60 milhões de euros para ter um dos laterais mais promissores daquela década.

O infeliz vice-campeonato em 98

Um ano após sua transferência para o clube italiano, Cafu, novamente, disputaria mais uma Copa do Mundo. Desta vez na França, Cafu conseguiu participar de quase todos os jogos, pois ele não havia entrado em campo na semifinal contra  Holanda por causa de uma suspensão.

O Brasil havia vencido os Países Baixos e avançado para a grande final. O jogo era contra os franceses, anfitriões do evento. Mesmo com experiência em Copas, o lateral-direito, ao lado de seus companheiros, não conseguiu evitar os gols dos franceses que, consequentemente, foram campeões daquela edição. Mesmo com o vicecampeonato, Cafu adquiriu mais experiência em Copas.

O penta, recordes e o legado de Cafu

Mais uma vez, Cafu estava sendo convocado para o plantel da seleção de seu país. Titular em todos os minutos com a seleção, o camisa 2 foi crucial em 2002. Líder e muito bem em campo, Cafu conseguiu ser muito bem taticamente, acabando com os ataques dos alemães pelo seu lado. Conseguiu, naquela Copa, um feito histórico, como o atleta que mais participou de finais de Copas do Mundo. Outro fato importantíssimo foi que nos três recordes, dois deles foram concluídos com êxitos.

Na Copa de 2006, e já com seus 36 anos, Cafu tinha disputado naquele ano a sua última Copa. Na Alemanha, o camisa 2 e toda aquela constelação brasileira de Ronaldo, Ronaldinho, Kaká e Adriano havia parado nas quartas, sendo eliminados pela França. Foi triste, pois muitos, brasileiros e não brasileiros, apostavam que aquela seleção era uma das grandes favoritas ao título, se não a maior.

Ídolo na seleção, Cafu também tornou-se ídolo no Milan, último time conhecido que passou. Em 2003, após se transferir da Roma para o Milan, Cafu construiu, ali, sua linda história pelo clube de Milão. Conquistou títulos importantíssimos e o carisma de milhares de torcedores.

E o que mais marcou em sua história foi exatamente o seu legado como atleta profissional. Jogando bem em todos os clubes que passou, Cafu ficará pra sempre lembrado na memória dos brasileiros, dos milaneses e de todos os amantes do bom e velho futebol.

Faltam 10 dias para a Copa do Mundo na Rússia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *