Mesmo com vitórias, Brasil ainda é o mesmo time da Copa do Mundo

Após a eliminação do Brasil na Copa do Mundo 2018, a torcida brasileira queria ver, nos amistosos antes da Copa América, uma seleção mais diferente, totalmente daquela que viram na Rússia.

Ainda neste ano, o Brasil conseguiu realizar alguns jogos contra outras seleções para treinar para a Copa América que será realizada no próximo ano, aqui em nosso país. Estados Unidos, El Savador, Arábia Saudita, Argentina, Uruguai e Camarões foram as escolhidas da vez para enfrentar a poderosa seleção canarinha em gramados mundiais.

O primeiro amistoso, este contra os Estados Unidos, nossa seleção venceu os americanos pelo placar de 2 a 0, sem muito shows. Para quem não lembra, foi uma partida não tão maravilhosa. Venceu, isso é fato, mas era obrigação do time de Tite, até por que, mesmo respeitosamente dizendo, os Estados Unidos, em relação a futebol de campo, não chega sequer a uma boa seleção.

Não se classificou para a Copa na Rússia por irresponsabilidade, pois na América do Norte, os “fortes” são os americanos e a seleção do México.

No segundo amistoso, este contra El Salvador, mais uma partida que já sabíamos que o Brasil venceria. E, sim, sabíamos que nossa seleção poderia golear o adversário. Resultado: Brasil 5, El Savador 0. Neste jogo, pudemos perceber que um novo jogador entrava como favorito a titularidade no futuro. A ida de Richarlisson (atacante do Everton) para a seleção deixaram muitos brasileiros com esperanças de que um novo centroavante entraria como uma “luva” para a titularidade.

Nas duas partidas seguintes, duas grandes seleções jogariam contra a gente. Desta vez, Argentina e Uruguai. A seleção argentina vive, ainda, uma crise no futebol. Após a fracassada saída da Copa, junto com a de Sampaoli, os hermanos enfrentaram o Brasil sem muito estrelismo e sem Lionel Messi, principal astro da equipe. O mais conhecido era Dybala, mas mesmo assim, não conseguiu jogar aquilo que sabe quando está vestindo a camisa bianconera da Juventus. No final, vencemos por 1 a 0, com um jogo que a qualquer momento poderíamos dormir, simplesmente.

Já contra o Uruguai, o Brasil teve um pouco mais de trabalho, pois o time de Oscar Tabarez foi querendo jogar de igual pra igual, mesmo não jogando 100% que jogou na Copa. Perderam, por 1 a 0, mas mesmo com a vitória, o Brasil não convenceu. Nesta partida, vimos mais um jogador que se destacou e que pode, quem sabe, pegar a titularidade de algum jogador um dia. A convocação de Allan, do Napoli, é uma boa opção para Tite na próxima Copa América. Basta convocá-lo mais vezes.

Já no último jogo, contra Camarões, o Brasil conseguiu fazer somente um único gol nos 90 minutos de partida. Não conseguiu brilhar, até por que o craque, Neymar, saiu logo no começo da partida.

Há muitas coisas a se observar. Muitos jogadores que, sinceramente, não eram para estar ali. A insistência de Paulinho e Renato Augusto chegam a ser bizarras. Não eram para serem convocados nem na Copa, e depois de um não bom torneio, muita gente achava que já tinha dado para eles. Contudo, a insistência de Tite em chamá-los ainda prevalece. O futebol ainda é o mesmo.

E se quiser ganhar uma Copa América e uma Copa do Mundo, é preciso reivindicar algumas questões. A primeira é simples: convocar os certos. A segunda: parar de depender somente de Neymar.

Vale ressaltar que falando da primeira questão, Tite, ainda na Copa, convocou Taison, Fred, Renato Augusto e Paulinho. O primeiro, nem jogar, jogou; o segundo e o terceiro, estavam contudidos; já Paulinho, não conseguiu mostrar, mais uma vez, que é pesada vestir aquela camisa.

Quanto a segunda questão, basta assistir aos jogos. Este último, contra Camarões, era evidente que o Brasil, com a saída de Neymar, não conseguiu produzir praticamente nada. O primeiro tempo ficou mais que morno, e no segundo, acendeu uma chama para esquentar o jogo.

É preciso mudar para que nossa seleção volte a nos dar alegrias novamente, pois mesmo com vitórias, o Brasil ainda é o mesmo time da Copa do Mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *