Eduardo “Chacho” Coudet pode ter muito sucesso no Internacional

Treinador chega referendado de boas passagens por Rosario Central e Racing

Elegí el Inter por ser un equipo passional e me gusta los equipos passionales

Essas foram as primeiras palavras de Eduardo Coudet em sua coletiva de apresentação no Internacional. Um treinador “à flor da pele”. Assim podemos definir o jovem Eduardo Coudet. Aos 45 anos, o novo comandante do colorado ainda carrega consigo traços emblemáticos de quando atuava. Em campo, o ex-meiocampista era um ótimo jogador, com bom passe, boa visão de jogo e muita raça.

Coudet começou sua carreira no Rosario Central, time que defendeu e por seis dos dezoito anos em que atuou profissionalmente. No time rosarino, Coudet conseguiu colocar sua metodologia em prática. Sua equipe jogava sempre para frente, buscando o gol e jogando bonito. Ao ponto de a torcida canalla homenagear a forma da equipe jogar com um música: ¡Y ya lo ve, y ya lo ve, es el equipo de Coudet! 


O treinador comandou o Central por três temporadas e conseguiu levar o limitado time a duas finais de Copa Argentina, feito que não acontecia desde o ano de 1995. Na primeira delas, em 2015, sendo claramente prejudicado contra o Boca Juniors. Ao final da partida, não mediu as palavras e deixou mais uma vez muito evidente seu forte temperamento.

No ano seguinte, levou os canallas às quartas-de-final da Copa Libertadores. O time de Coudet fez uma ótima campanha na primeira fase, inclusive anulando o Palmeiras dentro do Allianz Parque e em seguida classificando-se e deixando o alviverde fora da competição sul-americana. Naquela edição, Coudet e companhia eliminaram o Grêmio nas oitavas-de-final e foram eliminados pelo Atlético Nacional, numa partida que no final acabou em muita confusão dentro e fora das quatro linhas.

 

Saída do Rosario e experiência fora da Argentina

Após seu passagem pelo Central, Chacho assumiu o Tijuana-MEX, mas teve problemas na montagem do elenco e acabou se desligando do clube mexicano. Foi então que chegou ao Racing. No time de Avellaneda, Coudet chegou com a responsabilidade de trazer o bom futebol e lutar novamente pelo título argentino. E foi isso que fez.

Depois de uma temporada quase perfeita, Eduardo Coudet finalmente pôde comemorar seu primeiro título como treinador. Com um time bastante experiente, o Racing comandado por Chacho conquistou o campeonato argentino da temporada 2019 com uma rodada de antecedência. Eduardo Coudet se despediu de La Academia com mais uma taça: o título de Campeão da Superliga Argentina, ao vencer o Tigre por 2 a 0. As conquistas elevaram o nível do treinador e lhe deram o merecido reconhecimento na Argentina.

Homens de confiança do comandante e olhar para base

Coudet não é diferente dos demais técnicos mundo a fora. O novo treinador do Internacional tem jogadores a quem lhe trazem mais certezas de representatividade dentro do campo. O zagueiro Donatti era seu pilar defensivo no Rosario e o acompanhou no Tijuana e no Racing. O meiocampista Walter Montoya, que teve passagem rápida pelo Grêmio em 2019, foi lançado no Central por Coudet e depois foi seu atleta no Racing. O volante Musto, era seu homem de confiança no período em que treinou o Rosario. Um jogador de forte marcação e bom passe. Musto foi levado por Coudet para o Tijuana e foi o primeiro reforço do treinador no Internacional.

Chacho tem suas “peças de segurança”, mas, não esquece de dar a devida atenção aos atletas formados na base das equipes que comanda. Foi com Coudet que os jovens Montoya, Franco Cervi e Lo Celso tiveram as primeiras oportunidades no Central. Todos atuaram bem nas mãos do comandante e conseguiram bons contratos após saírem do time rosarino, o mais conhecido deles é Lo Celso, que hoje disputa a Premier League e Champions League pelo Tottenham.

Então o que esperar de Coudet?

Um treinador intenso. Essa é a maior virtude de Eduardo Coudet, mas acima de tudo, um técnico inteligente e que monta sua equipe para ter a bola e atacar sempre. O torcedor do Internacional vai precisar se acostumar a ter fortes emoções. Com Chacho no comando, dificilmente uma partida terminará empatada sem gols, mas certamente, seu time sairá de campo sem mostrar um bom futebol.

É preciso dar tempo ao treinador e esperar ele montar a equipe com a sua cara, isso não acontecerá do dia para noite, porém, quando acontecer, o torcedor colorado terá a certeza que seu time lutará por grandes conquistas com ele no comando técnico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *